Nota do Sindicato Metabase Inconfidentes contra a tentativa das empresas Vale, Samarco e CSN de criminalizar a luta dos trabalhadores e da população

No dia 16 de Junho a região dos inconfidentes viveu duas grandes lutas dos trabalhadores e do povo pobre em geral, em ambas as grandes empresas mineradoras da região utilizaram a policia e da justiça para tentar criminalizar o movimento sindical e as lutas populares.

Em Antonio Pereira, um distrito de Ouro Preto, que fica exatamente onde passam os ônibus da Vale e da Samarco a meses a comunidade protesta por melhorias em sua qualidade de vida.

Falta tudo, e o pouco que há é de péssima qualidade. Como observa o manifesto dos moradores as reivindicações de condições básicas de trabalho, seguranças, saúde, transporte foram mais uma vez repetida pela sofrida e combativa comunidade.

Desde Junho do ano passado os moradores tem exigido uma melhoria no atendimento de saúde, aumento nas consultas e na disposição de remédios; aumento nos atendimentos diários, substituição de funcionários; capacitação do motorista da ambulância; bem como plantões em sábados, domingos e feriados.

Reclamam ainda da gestão do Centro de Referencia e Assistência Social, (CRAS), no que toca a gestão e distribuição de cestas básicas; bem como do cadastramento das bolsas famílias;

Denunciam ainda que a empresa SUPREMA não paga seus colaboradores e as obras não andam no ritmo combinado com a Prefeitura bem como o uso das maquina e equipamentos desta empresa é feita sem o devido cuidado com segurança em um local habitado. Reclama que a escola municipal parece viveiro de animais.

Por fim reclamam dos abusos cometidos por funcionários da prefeitura.

Como resposta a este protesto as empresas acionaram a justiça que apresentou uma decisão para que o Sindicato Metabase Inconfidentes desobstruísse a estrada. A decisão é absurda por que o sindicato não estava organizando nem participando da manifestação.

Na verdade as empresas, Samarco e Vale, sabem disso, mas usam a justiça para criminalizar as lutas do Sindicato.

Já em Congonhas, a coisa foi mais séria. Os trabalhadores da Mina Casa de Pedra, da CSN estão em campanha salarial. A empresa está oferecendo pouco mais de 5% de aumento nos salários dos trabalhadores.

Entre a noite do dia 16 e a madrugada do dia 17 o sindicato organizou um protesto parando os ônibus da empresa para conversar com os trabalhadores sobre a proposta da empresa.

Vinte minutos depois do começo do protesto um Policial Militar apareceu exigindo que os trabalhadores “fossem trabalhar” e com uma arma em punho em punho ameaçou um dos dirigentes sindicais.

A reação dos trabalhadores foi imediata, desceram dos ônibus e ficaram na manifestação na rodovia, a Letra “E” dos trabalhadores da CSN não trabalhou, em protesto contra a proposta ridícula que a CSN esta apresentando.

Alem disso no dia 20 de junho, a Vale promoveu mais um ataque ao sindicato e à organização dos trabalhadores. De forma injusta e absurda, a Vale desligou da empresa o companheiro Vander Luis, diretor sindical e morador da comunidade Antônio Pereira. Essa atitude não tem fundamentação, pois não existem motivos que a justifiquem. A Vale utiliza mais uma vez o método de perseguição aos dirigentes do nosso sindicato para tentar calar a voz daqueles que querem lutar. Vander é morador da comunidade Antônio Pereira e, assim como a população local, sofre com as injustiças cometidas pela empresa. A região é uma das mais ricas do nosso país. No entanto, a população sofre com os desmandos das grandes mineradoras e dos governos, pois toda a riqueza é enviada para os cofres dos acionistas, deixando para a população apenas a poe-ira e os problemas sociais. Não podemos permitir essa prática da Vale. Vamos lutar em defesa da liberdade e direito à organização dos trabalhadores e da população em geral. Exigimos a imediata reintegração do companheiro Vander. A prática da Vale é ilegal e fere a legislação trabalhista.

Não a criminalização das Lutas! Tirem as mãos do Metabase Inconfidentes!

É um absurdo que a justiça e a Policia interfiram no livre direito à organização dos trabalhadores e no direito ao protesto da população. Pior ainda usar de ameaça física contra diretores do sindicato é uma vergonha.

Infelizmente tais práticas só comprovam o que muitos trabalhadores já sabem e sentem na própria pele, que a justiça e a policia só defendem os ricos.

Pela imediata reintegração do companheiro Vander Luis

Exigimos nosso direito de protestar e lutar.

Não a criminalização da lutas sociais.

Lutar não é crime.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s