CPI do Pó Preto da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales) vai ouvir ex-gerente que denunciou espionagem na Vale.

Pó-Preto-300x255

Foto: Grande Vitória sofre com o famigerado pó preto

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Pó Preto, da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), ouviu na reunião desta quarta-feira (13), o promotor de justiça do Meio Ambiente, Marcelo Lemos e fez nova convocação, diante do depoimento prestado.

O ex-gerente de Inteligência da Vale, André de Almeida, que em 2013, prestou depoimento no Senado, em Brasília, será ouvido pela CPI da Assembleia capixaba. Ainda não há data, porque ele mora no Rio de Janeiro e a Comissão está agendando a vinda de Almeida ao Estado.

Denúncias
Na época, o ex-gerente, entregou documentos e acusou a empresa de espionagem em todo o País. O deputado Gilsinho Lopes (PR), membro da CPI informou que o depoimento de André de Almeida, servirá para provar que o presidente da Vale, Murilo Ferreira mentiu quando depôs na reunião do dia 23 de abril, ao dizer que a Companhia não pratica espionagem . O deputado quer saber quem são os capixabas que tiveram, por exemplo, as linhas telefônicas grampeadas.

Ninguém sabe, ninguém viu
Durante a reunião, Gilsinho questionou o promotor Marcelo Lemos, sobre o fato de o Iema ter adquirido equipamentos de medição do nível de poluição do ar, em 2009 e só ter instalado em 2014. O deputado declarou que foi a Vale quem pagou pela instalação dos equipamentos, realizada pela Ecosoft, que presta serviços tanto para os órgãos fiscalizadores – Iema e Seama – quanto para as mineradoras, mas o promotor disse desconhecer as informações. A CPI do Pó Preto visita a Vale nesta sexta-feira, às 9 horas.

Vale se manifesta
A Vale informou que não compactua com tais práticas, e que foram abertos quatro inquéritos em diferentes estados sobre o assunto e todos foram arquivados pelo Ministério Público respectivo por absoluta falta de evidências.

Vidigal vai relatar Subcomissão de Obras
O deputado federal Sergio Vidigal (PDT-ES) foi eleito relator da Subcomissão Especial Destinada a Acompanhar as Obras de Mobilidade Urbana Financiadas com Recursos Públicos. O convite para assumir a relatoria da comissão foi a pedido do deputado Marcelo Matos (PDT-RJ), que é presidente da subcomissão. 

Relação de obras
Na subcomissão, Vidigal vai acompanhar as audiências e ao final dos trabalhos emitir um relatório com parecer sobre os obras de infraestrutura. “Nosso primeiro passo será pedir a relação de obras em andamento com recursos federais em todo o país. Com esse balanço poderemos apresentar um parecer completo e mais próximo da realidade”, afirmou Vidigal.

Nova direção tucana em Guarapari
Assim como deve acontecer em outros diretórios do PSDB, Espírito Santo afora, em Guarapari, a executiva estadual do partido já fez intervenção e mudou a presidência da sigla no município. Carlos Von, candidato a prefeito nas últimas eleições, se filiou ao PSDB e já assumiu o diretório. Von é pré-candidato à prefeitura de Guarapari em 2016.

São Mateus terá que fazer concurso
O Ministério Público Estadual (MPES) firmou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o município de São Mateus para realização de concurso público para a área da educação. No documento, o município se compromete a disponibilizar 148 vagas efetivas. Atualmente, todas essas cadeiras são ocupadas por trabalhadores em designação temporária. O município se comprometeu a realizar o concurso ainda em 2015, com convocação dos aprovados já para o ano letivo de 2016.

Destinação errada de dinheiro em Marataízes
Em Marataízes, no sul capixaba, moradores estão revoltados com o descaso da prefeitura. Segundo eles, não há caixões para enterrar pessoas mais humildes, mas o Poder Executivo Municipal se prepara para gastar nada menos que R$ 4 milhões com infraestrutura para shows.

Hércules Favarato condenado
O ex-prefeito de Montanha, no noroeste capixaba, Hércules Favarato foi condenado em uma ação de improbidade, por ter usado veículo alugado pela Prefeitura e servidores públicos em obra particular. Favarato teve os direitos políticos suspensos por cinco anos, e ainda terá que pagar multa e ressarcir os cofres públicos.

Detenção para ex-prefeito
Hércules Favarato ainda foi condenado a quatro anos e oito meses de reclusão, em regime semiaberto, além de ficar proibido de exercer de função pública por cinco anos. O Tribunal de Justiça reduziu a pena para três anos e seis meses de reclusão, substituída por medidas restritivas de direito. A defesa do ex-prefeito está recorrendo dessa decisão no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Fonte: Folha Vitória, 13/05/2015

Link: http://www.folhavitoria.com.br/politica/blogs/de-olho-no-poder/2015/05/13/cpi-do-po-preto-da-ales-vai-ouvir-ex-gerente-que-denunciou-espionagem-na-vale/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s