Barragens de mineradora ligada à Vale rompem em MG e inundam cidade

Foto: Frente em Defesa de Ouro Preto e Região

Uma morte foi confirmada pela Defesa Civil. Treze pessoas estão desaparecidas e quatro feridas. O sindicato Metabase de Inconfidentes, sediado em Mariana, que acompanha a operação, contesta o número de mortes e avalia que desaparecidos podem chegar a mais de uma centena. 

Duas barragens da mineradora Samarco, empresa da Vale do Rio Doce, localizada no distrito de Bento Rodrigues, entre Mariana e Ouro Preto, na região central de Minas Gerais, se rompeu na tarde desta quinta-feira (5).

                                                              Foto:Frente em Defesa de Ouro Preto e Região

Segundo o Comitê Brasileiro de Barragens, é o maior rompimento da história. De acordo com a Defesa Civil do estado, uma morte foi confirmada, 13 estão desaparecidos e quatro feridos. O sindicato Metabase de Inconfidentes, sediado em Mariana, que acompanha a operação, contesta o número de mortes e avalia que desaparecidos podem chegar a mais de uma centena.

O rejeito de lama das barragens inundou Bento Rodrigues completamente. A população do distrito é estimada em 620 pessoas, a maioria empregadas da mineradora.

O Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração manifestou sua solidariedade aos trabalhadores e moradores, e exige “das autoridades cabíveis a devida apuração e punição às empresas Vale e Samarco pela responsabilidade deste grave acidente que provocou dezenas de mortes. A vida humana está acima de tudo.”

O Ministério Público de Minas Gerais abriu um inquérito para investigar as causas e responsabilidades do rompimento.

Em nota, o governo de Minas Gerais lamentou o ocorrido e disse que a Defesa Civil e outros órgãos competentes estão prestando os primeiros socorros e atendimento necessário à população do distrito, ainda de difícil acesso em razão dos estragos causados pela inundação, e que “as causas e responsabilidades pelo ocorrido serão rigorosamente apuradas”.

A Samarco, por meio de comunicado, afirmou que está cooperando com as autoridades e que todas suas obras possuem Licenças de Operação concedidas pela Superintendência Regional de Regularização Ambiental (Supram) – órgão que atesta o comportamento e a integridade das estruturas. Segundo a empresa, a última fiscalização ocorreu em julho de 2015 e indicou que as barragens encontravam-se em totais condições de segurança.

Fonte: Brasil de Fato, 06/11/2015

Link: http://www.brasildefato.com.br/node/33374

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s